Histórico

Departamento de Bioquímica e Biologia Tecidual

Trata-se da união dos departamentos de Histologia e Embriologia ao de Bioquímica, realizada em dezembro de 2013.

 

O Departamento de Histologia e Embriologia (DHE) em sua criação, organização e trajetória inicial, superpõe-se à criação e começo da própria Universidade Estadual de Campinas (UEC, depois UNICAMP).
Criada pela Lei 7655, de 28/12/62, a UNICAMP celebrou seu primeiro contrato docente com o Prof. Dr. Walter August Hadler, em 01/02/63, um jovem Livre-Docente, trazido da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (USP), pelas mãos do Prof. Dr. Cantidio de Campos, o então Magnífico Reitor. Com a indicação do Prof. Hadler (como era conhecido por todos), Professor Titular da Disciplina de Histologia e Embriologia, seguiu-se à formação do primeiro corpo docente da Universidade, nas pessoas dos Professores João Antonio Vozza, Osmar Benedicto Hadler de Lucca e Alba Sanches Patelli.
Aqueles mestres e o pessoal técnico-administrativo, já contratados e incorporados ao Departamento de Histologia e Embriologia nascente, pagaram o ônus do pioneirismo, quando transformaram caixas de madeira e luz elétrica em estufa, ou quando transformaram um camundongo doméstico em lâminas histológicas: ou ainda, quando alguns deles fizeram da Maternidade de Campinas, em construção, além do local de trabalho, suas moradias.
A Disciplina de Histologia e Embriologia, por conseqüência o Departamento de Histologia e Embriologia, pode se orgulhar também pelo fato de a 21/05/63, o Prof. Hadler haver proferido a aula inaugural do Curso de Histologia e Embriologia, em presença do Magnífico Reitor e dos Assistentes do Departamento, para cinqüenta jovens acadêmicos postulantes ao titulo de Médico, selecionados em vestibular, onde se apresentaram um mil, seiscentos e cinqüenta e quatro candidatos, para a recém criada Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, primogênita dentre todas as Unidades. Só no dia seguinte, 22/05/63 é que foi proferida a aula inaugural da Universidade, no ainda existente Teatro Municipal de Campinas. Esta aula proferiu-a o Prof. Dr. Antonio Augusto de Almeida, primeiro Diretor da Faculdade de Ciências Médicas.
O Curso de Histologia e Embriologia estendeu-se até o mês de setembro de 1963, sendo sucedido pelo Curso de Anatomia e depois pelo de Genética, disciplinas que, junto com a primeira, constituíam o Instituto de Morfologia, que teve no Prof. Hadler, seu primeiro Diretor,
designado pelo novo Magnífico Reitor, Prof. Dr. Mário Degni, em 1964.
A nova Unidade foi o centro onde se articulou a vinda do patrono, idealizador, organizador e futuro Reitor da Universidade Estadual de Campinas, o Prof. Dr. Zeferino Vaz.
Em 1966, por proposta da Comissão Organizadora da Universidade Estadual de Campinas, presidida pelo Prof. Dr. Zeferino Vaz, deu-se a criação do Instituto de Biologia e novamente o Setor de Histologia e Embriologia se destaca, tendo no Prof. Hadler o primeiro Coordenador do Instituto neonato. Foi por proposta e responsabilidade dessa Coordenadoria que efetivou-se a criação dos diversos Departamentos que hoje compõem o Instituto de Biologia, inclusive o Departamento de Histologia e Embriologia.
Em 1968, no segundo semestre, começa a ocupação das instalações da cidade Universitária, na época um enorme canavial e outra vez o pioneirismo dos mestres do Departamento de Histologia e Embriologia se manifesta. Foi no Departamento de Histologia e Embriologia que nasceu o embrião do Biotério Central da UNICAMP.
Pertencia ao Departamento o Prof. Osmar J. B. Hadler de Lucca que defendeu, nas dependências do Instituto de Biologia, primeira Tese de Doutorado da Cidade Universitária.
O Departamento de Histologia e Embriologia sempre foi, e ainda hoje continua sendo, um grande prestador de serviço, principalmente para a Faculdade de Ciências Médicas. Os seus docentes ainda participaram de cursos de Graduação para outras Unidades e até para outras Universidades.
O Departamento de Histologia e Embriologia, através dos seus docentes, sempre participou e participa de decisões e eventos importantes emanados do Instituto de Biologia e da própria Universidade Estadual de Campinas.
No que diz respeito ao conjunto dos indicadores de produção do Departamento de Histologia e Embriologia, ele reflete a imagem do Instituto, estampada na evolução dos Indicadores de produção e recursos humanos do IB.

 
A criação do Departamento de Bioquímica teve origem com a fundação do Instituto de Biologia, em 1969, o qual incorporou os antigos docentes da área e contratou novos pesquisadores.
O primeiro núcleo de pesquisa em Bioquímica na UNICAMP surgiu com a criação da disciplina de Bioquímica junto à antiga Faculdade de Ciências Médicas de Campinas, em 1964.
A área pioneira de Pesquisa, a Enzimologia, foi ampliada com a introdução de novas linhas, e foi implantada uma nova área de pesquisa, a de serologia de patógenos vegetais. Teve, então, início uma fase de treinamento do pessoal do próprio Departamento, sob a orientação do Dr. Aldo Focesi Júnior, in memorian, com a formação de seis Doutores, segundo a Escola Tradicional.
Ao final da década de 70 houve uma expansão significativa das áreas de pesquisa do Departamento, como resultado da evolução do próprio grupo original, e do ingresso de novos pesquisadores no Departamento. Nessa época as linhas implantadas foram: Hemoglobinas: estrutura de função; Química de Proteínas; Bioenergética mitocondrial; Enzimas do metabolismo de proteínas e ácidos nucléicos; Lesão de DNA em células de mamíferos.
O período compreendido entre 75-84 caracterizou uma fase bastante produtiva da pesquisa no Departamento, com o envolvimento dos docentes em orientação formal de estudantes de Pós-Graduação, vinculados a diferentes cursos do Instituto de Biologia da UNICAMP, ou a outras Universidades. Esse trabalho resultou na defesa de 20 teses de Mestrado e 11 de Doutorado, as quais geraram diversas publicações científicas. Em 1984 existiam 10 estudantes de Pós-Graduação realizando pesquisas no Departamento de Bioquímica, porém formalmente vinculados a cursos de outros Departamentos. Esses fatos mostraram a existência de uma capacidade instalada para orientação de pesquisa no Departamento e foi o ponto de partida para a proposição da criação de uma Pós-graduação em Bioquímica, o que veio a ocorrer de fato em 1985.
Após um período de cerca de dez anos em que desenvolveu um Programa de Pós-graduação (Mestrado e Doutorado) exclusivamente na área de Bioquímica, o Departamento associou-se ao Departamento de Fisiologia e Biofísica do IB na criação de um Programa integrado de Pós-graduação, denominado Pós-graduação em Biologia Funcional e Molecular, que passou a receber candidatos ao Mestrado e Doutorado a partir de 1999.
Com relação às atividades do Departamento na Graduação, houve, no decorrer desses 34 anos, uma diversificação das disciplinas de Bioquímica, atualmente adaptadas aos estudantes dos cursos de graduação em Ciências Biológicas, Medicina, Enfermagem, Educação Física e Farmácia. Além disso, tem-se procurado incentivar os alunos de graduação na realização de estágios e treinamento de Iniciação Científica na área de Bioquímica e hoje o Departamento conta, inclusive, com docentes que foram seus bolsistas de Iniciação Científica. Em 2001 houve alteração nas linhas de pesquisa do Departamento que passaram ser as seguintes: 1.- Química de Macromoléculas; 2.- Biomembranas e Processos Biomiméticos; 3.- Bioenergética e Transdução de sinal; 4.- Toxicologia e Oncogênese; 5.- Ensino.