Página pessoal

Sara Adrián López de Andrade
 
Formação Acadêmica
Possuo graduação em Ciências Biológicas pela Universidad del Pais Vasco (UPV, España), mestrado e doutorado (2005) em Genética e Biologia Molecular pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, Brasil). Tenho como principal área de pesquisa a Fisiologia da Simbiose Micorrízica Arbuscular, estudando a contribuição da associação em diferentes aspectos da fisiologia vegetal, principalmente em relação à resposta a estresses ambientais como excesso de metais, condições limitantes de P e N, entre outras.
 
Contato
Universidade Estadual de Campinas
Instituto de Biologia
Rua Monteiro Lobato, 255 - Campinas - SP - Brasil
CEP 13083-862
Departamento de Biologia Vegetal

Email:
Fone: 35216322
Currículo Lattes:
 
Linhas de pesquisa
- Estresse por metais pesados e metalóides em plantas

- Uso e transporte de P em plantas associadas a micorriza arbuscular

- Síntese de compostos secundários em plantas associadas a micorriza arbuscular
 
 
Pesquisa
Eficiência do uso de fósforo na simbiose soja-rizóbio-fungo micorrízico arbuscular: implicações no metabolismo de fósforo e nitrogênio
A associação simbiótica com rizóbios e fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) pode trazer benefícios à planta de soja incrementando a produção de biomassa, o que tem sido relacionado com o suprimento de nitrogênio (N) proveniente da fixação simbiótica de N2 (FSN) e à maior absorção de fósforo (P), por parte da micorriza arbuscular (MA). No Brasil, a FSN é altamente eficiente nesta cultura reduzindo a necessidade de adubação nitrogenada, no entanto, a produtividade e a FSN se vêm limitadas por fatores como a escassez de P disponível, condição comum em muitos solos agriculturáveis do país. O entendimento dos mecanismos de absorção, uso e remobilização de P é essencial no intuito de aumentar a eficiência do uso do P (EUP). No entanto, ainda são escassos os estudos que avaliem mecanismos moleculares relacionados à maior EUP em plantas micorrizadas. Assim, propõe-se avaliar a influencia da MA na EUP em plantas de soja noduladas por meio da avaliação da absorção e acumulo de P, determinação da atividade de fosfatases e do nível de expressão de genes de transportadores de P e de fosfatases ácidas purpúreas, em diferentes partes da planta (folhas jovens e maduras, raízes e nódulos) e relaciona-las com a nutrição fosfatada, a produção de biomassa e com a FSN. Os resultados permitirão avaliar a contribuição da micorriza arbuscular na EUP e na alocação deste nutriente na planta e relaciona-los com à FSN, metabolismo do N e produção de biomassa em plantas de soja, o que poderá contribuir no avanço do conhecimento científico e tecnológico na procura de uma agricultura mais sustentável.
 
Análise comparativa do transcritoma de transportadores de membrana da raiz de arroz associado a fungo micorrízico arbuscular e em resposta a arsênio
O arsênio (As) é um metalóide não essencial aos seres vivos. No entanto, dependendo da sua concentração no meio pode ser extremamente tóxico aos seres vivos devido a mecanismos oxidativos ou citotóxicos. O As é ainda um potente agente carcinogênico em humanos, sendo a contaminação de águas e plantas comestíveis as principais causas de envenenamento por As (Zhao et al., 2010). Atividades mineradoras e industriais, assim como o indiscriminado na agricultura de herbicidas da família dos metilarsenatos, contribuem com o aumento dos níveis de As no solo. Em solos sob condições redutoras o As pode ser liberado de óxidos férricos aumentando a sua biodisponibilidade. Isto acontece com freqüência em solos onde o arroz é cultivado por inundação, sendo comum encontrar altas quantidades deste metalóide nos grãos (Zhu and Rosen, 2009). Isto se torna um sério problema meio-ambiental e de saúde publica já que grandes populações mundiais têm este cereal como base de sua alimentação. No Brasil, nono produtor mundial, o arroz é cultivado em todas as regiões, tanto em terras altas como em várzeas. Mesmo que boa parte do arroz seja cultivado em sistemas inundados, o cultivo em terras altas ou em áreas com períodos de escassez de água é cada vez maior. Nestas situações a simbiose micorrízica tem se mostrado benéfica para o crescimento do arroz (Zhang et al., 2005; Ruíz-Sánchez et al., 2011). Propágulos de FMAs são capazes de persistir em solos contaminados com As e colonizar plantas crescendo neles (Smith et al., 2010). De forma geral, observa-se que a associação micorrízica é capaz de aumentar a tolerância da planta hospedeira à presença de As no meio, pela menor absorção de As ou pela manutenção de maior relação P/As (Smith et al., 2010; Bona et al., 2011a; Bona et al., 2011b). Portanto, é de grande importância entender como as diferentes espécies de As no meio são absorvidas, acumuladas e detoxificadas em plantas micorrizadas.
 
Eficiência de uso de fósforo em Eucalyptus e os mecanismos fisiológicos e genéticos envolvidos
O fósforo (P) está entre os três minerais essenciais encontrados em maior abundância nos tecidos vegetais. Faz parte da molécula de ATP, RNA e DNA, de lipídeos de membranas e de várias outras moléculas sem as quais plantas não vivem. As rochas fosfatadas são a fonte principal dos fertilizantes fosfatados usados na agricultura e as jazidas são finitas. Isto, junto com o fato de que o P no solo está pouco disponível às plantas, devido às suas interações químicas, faz com que seja necessário maximizar a eficiência do uso de P pelas plantas. O presente projeto visa entender os mecanismos fisiológicos e moleculares da absorção e remobilização do P em eucalipto e como a concentração endógena de fosfato da planta interage com as suas simbioses radiculares e com a microbiota da rizosfera. O eucalipto é uma importante cultura no Brasil, com significativo impacto econômico em várias regiões. Será explorada a diversidade genética de mais de 20 espécies do gênero, procurando-se inicialmente dois grupos entre as responsivas ao fornecimento de P, espécies eficientes e espécies não eficientes em absorver o P do solo. Ou seja, serão selecionadas espécies que consigam responder à suficiência de P (fertilização), mas que sejam diferentes na habilidade de adquirir P do solo quando em condições de deficiência. Em seguida, experimentos direcionados permitirão avaliar desde o crescimento e arquitetura das raízes, expressão gênica do \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"network\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\" que regula a absorção, transporte e remobilização de P na planta, análise da microbiota associada, com particular interesse em micorrizas, cinética de absorção do P, respostas bioquímicas das raízes, enzimas do solo, qualidade da madeira dos eucaliptos.
 
 
Equipe
Nome: Beatriz Pereira Costa
Cursando:
 
Nome: Beatriz Pereira Costa
Cursando:
 
Nome: Maíra da Silva
Cursando:
 
Nome: Beatriz Pereira Costa
Cursando:
 
Nome: Maíra da Silva
Cursando:
 
Nome: Maíra da Silva
Cursando:
 
Nome: Maíra da Silva
Cursando:
 
Nome: Beatriz Pereira Costa
Cursando:
 
Nome: Maíra da Silva
Cursando:
 
Nome: Beatriz Pereira Costa
Cursando:
 
Nome: Beatriz Pereira Costa
Cursando:
 
Nome: Maíra da Silva
Cursando:
 
Nome: Rafaela Gageti Bulgarelli
Cursando:DR