Página pessoal

Eleonore Zulnara Freire Setz
 
Formação Acadêmica
Graduação em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Escola Paulista de Medicina (atual UNIFESP);
Especialização em Ecologia pela Universidade Federal do rio Grande do Sul;
Mestrado em Ecologia pela UNICAMP;
Doutorado em Ciências Biológicas - Ecologia pela UNICAMP;
Pós doutorado pela Universidade de Geórgia em Athens, Ga, EUA.
 
Contato
Universidade Estadual de Campinas
Instituto de Biologia
Rua Monteiro Lobato, 255 - Campinas - SP - Brasil
CEP 13083-862
Departamento de Biologia Animal

Email:
Fone: 35216312
Currículo Lattes:
 
Publicações relevantes/recentes
Cantor, Ferreira, Silva & Setz 2010 Potential seed dispersal by Didelphis albiventris (Marsupialia, Didelphidae) in highly disturbed environment. Biota Neotropica. 10(2).
 
Tófoli, Rohe & Setz 2009 Jaguarundi (Puma yagouaroundi) (Geoffroy, 1803)(Carnivora, Felidae) food habits in a mosaic of Atlantic Rainforest
and eucalypt plantations of southeastern Brazil. Braz. J. Biol. 69 (3): 871-877.
 
SETZ, E.Z.; PINTO, L.P.; BOWLER, M.; VIÉ, J.; BARNETT, A.A. & NORCONK, M. A. 2013. Pitheciines: comparing use of time and space. In: Veiga, L. M.; Barnett, A. A.; Ferrari, S. F. Norconk, M. A. (ed.) Evolutionary Biology and Conservation of Titis, Sakis and Uacaris. Cambridge University Press.
 
NORCONK, M.A. & SETZ, E.Z. 2013. Ecology and behaviour of saki monkeys (genus Pithecia). In: Veiga, L. M.; Barnett, A. A.; Ferrari, S. F. Norconk, M. A. (ed.) Evolutionary Biology and Conservation of Titis, Sakis and Uacaris. Cambridge University Press.
 
PINTO, L.P.; BARNETT, A.;BEZERRA, B.M.; BOWLER, M.; CARDOSO, N.;CASELLI, C.;RODRÍGUEZ, M.;SANTOS, R.R.; SETZ, E.Z.F. & VEIGA, L.M 2013. In: Veiga, L. M.; Barnett, A. A.; Ferrari, S. F. Norconk, M. A. (ed.) Why we know so little: the challenges of field work on the Pitheciidae. Evolutionary Biology and Conservation of Titis, Sakis and Uacaris. Cambridge University Press.
 
ADAMI, S. A.; TORRES, R. B.; COELHO, R. M.; FRANCISCO, C. E. S; KINOSHITA, L. S.; TAMASHIRO, J. Y.; MARTINS, E. R. F & SETZ, E. Z. F. 2013. FORMADORES EM FORMAÇÃO: RELATOS DO DIÁLOGO ENTRE PESQUISADORES E PROFESSORES.In: Compiani, M. (Org) RIBEIRÃO ANHUMAS NA ESCOLA:
projeto de formação continuada elaborando conhecimentos escolares relacionados à ciência, à sociedade e ao ambiente. Curitiba: CRV, p. 47-60.
 
PENTEADO, M. J. F. & SETZ, E. Z. F. 2012. Os Mamíferos carnívoros da Serra do Japi. In: Vasconcellos-Neto, J.; Polli, P. R.; Penteado-Dias, A. M. (Org.) Novos Olhares, Novos Saberes sobre a Serra do Japi: Ecos de sua Biodiversidade. 1ed.Curitiba: CRV, v. 1, p. 519-531.
 
CASELLI, C B & SETZ, E. Z. F. 2012. História natural dos sauas de cara-preta (Callicebus nigrifrons Spix, 1823). In: Vasconcellos-Neto, J.; Polli, P. R.; Penteado-Dias, A. M. (Org.) Novos Olhares, Novos Saberes sobre a Serra do Japi: Ecos de sua Biodiversidade. 1ed.Curitiba: CRV, v. 1, p. 535-543.
 
MAGIOLI, M.; MOREIRA, M.Z.; FERRAZ, K.M. B.; MIOTTO, R,A.; CAMARGO, P.B.; RODRIGUES, M.G.; CANHOTO, M.C.S. & SETZ, E.Z. 2014 Stable Isotope Evidence of Puma concolor (Felidae) Feeding Patterns in Agricultural Landscapes in Southeastern Brazil. Biotropica 0(0): 1–10 2014. Doi 10.1111/btp.12115 [Epub ahead of print]
 
CASELLI, C.B.; MENNILL, D.J.; BICCA-MARQUES, J.C. & SETZ, E.Z.F. 2014. Vocal behavior of black-fronted tit monkeys (Callicebus nigrifrons): acoustic properties and behavioral contexts of loud calls. American Journal of Primatology. Mar 3. doi: 10.1002/ajp.22270. [Epub ahead of print]
 
PEGORARO, L.F.; SETZ, E. Z. F. & DALGALARRONDO, P. 2014. Ethological Approach to Autism Spectrum Disorders. Evolutionary Psychology, 12(1): 223-244
 
GESTICH,C.C; CASELLI, C.B. & SETZ, E. Z. F. 2014. Behavioural Thermoregulation in a Small Neotropical Primate. Ethology 120: 1-9. doi: 10.1111/eth.12203
 
CANTOR, M., PIRES, M. M., LONGO, G. O., GUIMARÃES JR., P. R. & SETZ, E. Z. F. 2013 Individual variation in resource use by opossums leading to nested fruit consumption. Oikos 122: 1085–1093 doi: 10.1111/j.1600-0706.2012.00070.x
 
PADILHA, J. C. & SETZ, E.Z.F. 2011 Olfactory Enrichment for Carnivores. The Shape of Enrichment 20 (3):6-7.
 
CASELLI, C. & SETZ, E.Z.F. 2011 Feeding Ecology and Activity Pattern of Black-fronted Titi Monkeys (Callicebus nigrifrons) in a Semideciduous Tropical Forest of Southern Brazil. Primates, (DOI 10.1007/s10329-011-0266-2)
 
 
Equipe
Nome: Karina K. Sakane
Cursando:MS
Resumo do projeto
Pequenos Mamíferos da Serra do Japi: diferenças altitudinais.
Resumo:
A distribuição de pequenos mamíferos pode ser influenciada por diversos fatores, sejam climáticos, espaciais ou históricos, não sendo diferente ao longo de gradientes altitudinais. Estudos ao longo destes gradientes podem ser interessantes pois costumam apresentar, em pequenas distâncias, diferenças significantes em relação a temperatura e estrutura vegetacional, por exemplo. Roedores e marsupiais devido ao seu pequeno tamanho corporal e dependência de grande quantidade de alimentos para sua sobrevivência, tornam-se, então, bons candidatos a pesquisa ao longo destes gradientes. O objetivo desta pesquisa, portanto, é determinar a riqueza (através de Jackknife, programa EstimateS), a diversidade florestal de pequenos mamíferos (através do índice de Shannon-Wiener), investigar diferenças ao longo de gradientes altitudinais da Reserva Biológica da Serra do Japi (teste Mann-Whitney) e testar a hipótese de que pequenos mamíferos também respondem a esse gradiente, com maior riqueza e abundância onde as condições são mais favoráveis a sobrevivência . Para isso, serão amostradas três altitudes, onde cada uma delas conterá três linhas com oito baldes de 60l cada, distanciados de 10m e conectados por cercas-guia com 50 cm de altura. A cada mês, uma linha será sorteada para ser amostrada. Para diferenças de altitude, serão analisadas a disponibilidade de recursos e heterogeneidade do habitat ao longo do gradiente altitudinal.
 
Nome: Juliana do Carmo Padilha
Cursando:MS
Resumo do projeto
Efeito da surpresa no bem estar de bugios (Alouatta clamitans) em
cativeiro

O ambiente cativo é invariavelmente menos complexo do que o ambiente natural,
causando estresse e tédio, o que leva os animais a problemas comportamentais. Na
tentativa de mitigar estes efeitos o enriquecimento ambiental tem sido amplamente
utilizado, pois aumenta a complexidade do ambiente. No entanto, é importante
compreender se as respostas aos enriquecimentos estão associadas a características
individuais da personalidade dos animais, como coragem e timidez. Pouco se sabe se
esses animais se surpreendem com a presença deste novo elemento e se criam uma
expectativa de seu ambiente. Para melhor compreender essas questões, nós
estudamos o comportamento de vinte bugios-ruivo em cativeiro e comparamos a
reação comportamental e o tempo de latência destes animais a um objeto ao qual
estão habituados e a objetos novos em forma de uma surpresa (no qual o animal tem
que abrir uma caixa para ter acesso ao objeto) e a objetos novos colocados em seu
recinto; e avaliar se a presença desta surpresa influencia o bem estar e o
comportamento deste animais, além de identificar a presença e classificar os
comportamentos estereotipados e de antecipação dos mesmos.
 
Nome: Vanessa Villanova Kuhnen
Cursando:DR
Resumo do projeto
ECOLOGIA DE PEQUENOS MAMÍFEROS: Entendendo os efeitos do gradiente altitudinal
 
Nome: Mariana Nagy Baldy dos Reis
Cursando:DR
Resumo do projeto
Estimativa da ocupação da paisagem por mamíferos terrestres de médio e grande porte em área de Mata Atlântica com diferentes graus de proteção na Serra do Japi, SP
Co-orientador: Adriano G. Chiarello (USP-RP)
Colaboração: Milton C. Ribeiro (UNESP – RC)
Resumo
A perda de hábitat é a maior ameaça à biodiversidade e o principal fator responsável pelas extinções de espécies, assim, é importante entender como ocorre o uso heterogêneo da paisagem natural e antrópica e como as comunidades se estruturam em função de seus atributos. Dessa forma, nossos objetivos são determinar a ocupação de mamíferos terrestres de médio e grande porte nativos e domésticos e os fatores ecogeográficos que influenciam o uso da paisagem e comparar a sua comunidade em áreas da Serra do Japi com diferentes graus de proteção. Para isso, serão utilizados 36 sítios amostrais (18 dentro da Reserva Municipal Biológica (REBIO) e 18 ao seu redor) distribuídos em uma grade regular com espaçamento de 1,5km entre eles. A cada dois meses, serão amostrados 12 sítios, cada um contendo uma armadilha fotográfica. Em cada sítio amostral serão determinadas co-variáveis ecogeográficas como altitude, unidades de paisagem, presença e número de animais domésticos, distância do limite da REBIO, cursos d’água, estradas, trilhas e núcleos urbanos, utilizando Sistemas de Informação Geográfica (SIG) e registros fotográficos. Investigaremos o papel de cada co-variável na ocupação das espécies nativas e quais os fatores que melhor explicam a ocorrência de animais domésticos no interior de Unidades de Conservação. Para isso, utilizaremos modelos de ocupação (através do programa PRESENCE). Também iremos comparar a riqueza de espécies e diversidade de guildas entre a área do interior da REBIO e a do seu entorno.
 
Nome: Carla Cristina Gestich
Cursando:DR
Resumo do projeto
Influência de parâmetros da paisagem sobre a ocorrência de primatas e a densidade de Callicebus nigrifrons no nordeste do estado de São Paulo
Co-orientação: Prof. Dr. Rogério Grassetto Teixeira da Cunha (UNIFAL)
Colaboração: Doutorando Giordano Ciocheti (UFSCar)
Resumo
A expansão das atividades humanas tem levado a um processo de fragmentação da paisagem, reduzindo a cobertura vegetal e ameaçando a biodiversidade. Tal processo pode acarretar perda de hábitats, redução nos recursos, isolamento das populações e diminuição da densidade de espécies mais sensíveis. A alteração da paisagem está entre as principais ameaças aos primatas, que de acordo com suas características biológicas podem apresentar diferentes respostas a esse processo. No interior do estado de São Paulo, Alouatta caraya, Sapajus nigritus, Callicebus nigrifrons, e Callithrix penicillata ocorrem em simpatria, fornecendo um bom local para o estudo da influência das características de uma paisagem agroflorestal na ocorrência dessas espécies. Para isso, faremos levantamentos com auxílio de playbacks das vocalizações de cada espécie em 16 fragmentos. Além disso, para Callicebus nigrifrons serão realizadas varreduras nos fragmentos com sua ocorrência, estimando a densidade de indivíduos. Essas variáveis serão relacionadas com as características de estrutura (ex.: distâncias entre fragmentos e outras unidades da paisagem) e composição da paisagem (ex.: tamanho e forma dos fragmentos) que serão obtidas por ferramentas de geoprocessamento. Dessa forma, será possível identificar as características que permitem a persistência dessa comunidade de primatas e as que influenciam a densidade de C. nigrifrons, possibilitando discutir como lidam com a alteração da paisagem.